“Trabalhamos com um produto que leva o sentimento das pessoas. Nós vendemos e entregamos sentimentos”


“Trabalhamos com um produto que leva o sentimento das pessoas. Nós vendemos e entregamos sentimentos”

Natural do Brasil, nunca imaginou trabalhar com flores e fazer arranjos. A pedra de toque para a “virada” da sua vida talvez tenha sido os três cursos superiores iniciados, mas nunca concluídos. A Academia das Flores falou com Maria Carolina e conheceu a génese da Floratta Flores e as histórias de vida de uma florista por terras lusas.

Fale-nos da história da Floratta Flores…

A Floratta surgiu com a Aline e a sua sogra, que antes de pensar em ter uma florista – por necessidade e também recém-chegadas a Portugal – vendiam rosas na rua, na ribeira do Porto e também nos restaurantes em Matosinhos. Aos poucos foram recebendo encomendas e tomaram a decisão de juntar as suas últimas poupanças e abrir uma loja.

Depois do regresso da sogra da Aline ao Brasil, a florista foi crescendo e surgiu a oportunidade de abrir uma loja num centro comercial, então a equipa precisava de aumentar.

A Floratta começou no Intermaché, em Oliveira do Douro, Vila Nova de Gaia, seguiu-se um quiosque no Shopping Parque Nascente e por último uma loja de rua em Mafamude, também em Gaia. Foi nessa altura que começa a minha história com a Floratta e as flores.

Descubra como nasceu o nome Floratta ao subscrever a Revista do Florista, e leia na íntegra a entrevista a Maria Carolina, CEO da Floratta Flores.

Partilhe este artigo

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

15 − 13 =

×